Português English

ELEMENTOS DE PRAZER E SOFRIMENTO NO TRABALHO DE MÉDICOS ONCOLOGISTAS EM UMA CIDADE DO INTERIOR DE MINAS GERAIS

|ELEMENTOS DE PRAZER E SOFRIMENTO NO TRABALHO DE MÉDICOS ONCOLOGISTAS EM UMA CIDADE DO INTERIOR DE MINAS GERAIS

ELEMENTOS DE PRAZER E SOFRIMENTO NO TRABALHO DE MÉDICOS ONCOLOGISTAS EM UMA CIDADE DO INTERIOR DE MINAS GERAIS

Autor:  GUSTAVO DE MAGALHÃES VIEIRA

Tipo de Trabalho de Conclusão: DISSERTAÇÃO

 

Data da Defesa: 23/05/2017

 

Resumo: Este estudo teve como objetivo descrever e analisar as vivências de prazer e sofrimento experimentadas por médicos oncologistas atuantes em hospitais da rede privada e pública em uma cidade do interior de Minas Gerais. O referencial teórico foi fundamentado na Psicodinâmica do Trabalho que permitiu a sustentação para a realização de uma pesquisa descritiva de caráter qualitativo. Os participantes da pesquisa constituem-se em 10 médicos oncologistas que atuam em clínicas e hospitais variados localizados no interior de Minas Gerais. Para a participação na pesquisa, os entrevistados foram convidados a assinar o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. Os participantes da pesquisa submeteram-se a uma entrevista estruturada inspirando-se no roteiro utilizado por Simões (2016). Os dados obtidos foram analisados com base numa técnica chamada de Análise dos Núcleos de Sentido – ANS, criada por Mendes (2007) a partir de uma adaptação feita da análise categorial de Bardin (2009). Os núcleos de sentido foram criados a partir dos depoimentos colhidos. Os resultados apontaram que a maior parte dos entrevistados é do sexo masculino, é casada, possui 1 ou mais filhos, tem especialização, é autônoma e tem 6 ou mais anos de trabalho na área oncológica. Quanto à idade, os entrevistados possuem entre 31 e 40 anos e em relação à carga horária semanal, a maioria demonstra trabalhar entre 40 e 60 horas semanais. Os oncologistas pesquisados demonstraram altos níveis de realização profissional, que são atribuídos, principalmente, ao poder de ajudar e à possibilidade de alcançar a cura do paciente. Os resultados demonstraram também que o ambiente de trabalho dos entrevistados é adequado para o bom desempenho profissional e que a grande quantidade de pacientes para atender num curto intervalo de tempo constitui-se num elemento inadequado de trabalho. Também foi relatado que os relacionamentos socioprofissionais dos médicos oncologistas são harmoniosos e saudáveis, e que há um clima de ajuda mútua, o que facilita a realização das atividades profissionais. Entre as vivências de prazer foram citadas a satisfação do paciente com o atendimento, o reconhecimento por parte do paciente, família e organização e a possibilidade de realizar seus objetivos pessoais com o desempenho do seu trabalho. Como exemplos de vivências de sofrimento foi destacada a dificuldade de aceitação da notícia do câncer por parte do paciente e família, a grande variedade de sentimentos com que precisam lidar num curto intervalo de tempo, o pouco tempo que resta para destinar à família e atividades pessoais, as reações inadequadas dos pacientes de acordo com as notícias relatadas e a dificuldade de lidar com a relação vida e morte. As principais estratégias para lidar com o sofrimento são de cunho individual, preferindo o médico buscar atividades que possa realizar isoladamente para se recuperar e voltar a desempenhar suas atividades. Como exemplos estão fazer uma corrida, tomar um banho quente, refletir sobre suas ações e se apoiar na fé. Isso demonstra que o médico oncologista utiliza-se de estratégias que visam o isolamento e a racionalização com o objetivo de minimizar o sentimento que causa sofrimento, ou seja, utiliza de estratégia de autoproteção.

Palavras-chave: Médico. Oncologista. Trabalho. Prazer. Sofrimento.

 

Abstract: This study aimed to describe and analyze the experiences of pleasure and suffering experienced by oncologists attending private and public hospitals in a town in the interior of Minas Gerais. The theoretical reference was based on the psychodynamics of the work that allowed the support for the accomplishment of a descriptive research of qualitative character.The participants of the research are in 10 oncologists who work in many types of clinics and hospitals located in the interior of Minas Gerais. For participation in the survey the interviewees were invited to sign the free and informed consent form. The participants of the research underwent a structured interview inspired by the script used by Simões (2016). The data obtained were analyzed based on a technique called sense nuclei analysis – ANS, created by Mendes (2007) from an adaptation made of the categorical analysis of Bardin (2009).

The sense nuclei were created from the collected statements. The results showed that most of the interviewees are male, married, have one or more children, have specialization, are autonomous and have 6 or more years of work in the oncological area. As for the age, the interviewees are between 31 and 40 years old and in relation to the weekly workload, the majority show working between 40 and 60 hours a week. The oncologists surveyed have demonstrated high levels of professional achievement, which are attributed mainly to the power to help and the possibility of healing the patient. The results also showed that the work environment of the interviewees is adequate for the good professional performance and that the large number of patients to attend in a short period of time constitutes an inadequate element of work. It has also been reported that the socio-professional relationships of medical oncologists are harmonious and healthy, and that there is a climate of mutual help, which facilitates the performance of professional activities. Among the experiences of pleasure were mentioned the satisfaction of the patient with the care, the recognition by the patient, family and organization and the possibility of accomplishing their personal goals with the unfolding of their work. As examples of experiencing suffering was highlighted the difficulty of accepting the news of cancer on the part of the patient and family, the great variety of feelings with which they have to deal in a short time, the little time left to allocate the family and personal activities, Inadequate reactions of patients according to the news reported and the difficulty of dealing with the relationship between life and death. The main strategies for dealing with suffering are individual, preferring the physician to seek activities that can be done in isolation to recover and get back with their activities. As examples are, make a run, take a hot bath, reflect on their actions, and rely on faith. This demonstrates that the oncologist physician uses strategies that aim at isolation and rationalization with the objective of minimizing the feeling that causes suffering, that is, uses a strategy of self-protection.

Keywords: Doctor. Oncologist. Work. Pleasure. Suffering.

 

Área de Concentração: ORGANIZAÇÃO E ESTRATÉGIA

Linha de Pesquisa: RELAÇÕEES DE PODER E DINAMICA NAS ORGANIZAÇÕES

Problema de Pesquisa:  “Como os médicos oncologistas percebem o prazer e o sofrimento no trabalho que realizam?”

 

Banca Examinadora

Orientador: Prof. Dr. Luiz Carlos Honorio

Prof. Dr. Fernando Coutinho Garcia – Docente

Prof. Dr. Anderson de Souza Sant’Anna– Participante Externo

 

BAIXAR ARQUIVO

2021-05-26T15:41:20-03:0023.05.2017|Dissertação|