Pesquisas em andamento

||Pesquisas em andamento
Pesquisas em andamento2019-04-15T16:48:48+00:00
GRUPO DE PESQUISA

Pesquisas em Andamento NUCONT

Projetos de pesquisa em andamento financiados pelo Centro Universitário Unihorizontes, Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG), Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Projetos de pesquisa em andamento financiados pelo Centro Universitário Unihorizontes, Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG), Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

PROJETO: Avaliação, Desempenho e Crescimento das Empresas Brasileiras

ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: Organização e Estratégia

LINHA DE PESQUISA: Estratégia, Inovação e Competitividade

DESCRIÇÃO: A economia brasileira passou por várias transformações nas últimas duas décadas, com consequências e desdobramentos no cenário empresarial, cuja compreensão e análise suscitam novas abordagens e discussões de teorias e modelos da área de Finanças. Os temas abordados neste projeto de pesquisa caminham na direção de encontrar contribuições para o melhor entendimento desta realidade. Inserido nesta discussão, o objetivo deste projeto é explicar algumas variáveis de desempenho e crescimento, bem como modelos de avaliação de empresas brasileiras, estrangeiras, públicas e privadas. Para tanto foi dividido em três dimensões norteadora: I) avaliar as condições de risco a partir de teorias e modelos consagrados de precificação de ativos, tais como: Capital Asset Pricing Model (CAPM), Modelo de Fama-French de multifatores, Modelo de Black-Scholes (BS), Arbitrage Pricing Model (APT), entre outros; II) avaliar as decisões financeiras de financiamento visando identificar possíveis fatores preditores da estrutura de capital de empresas brasileiras; III) identificar e analisar as estratégias de crescimento utilizadas por empresas brasileiras.

COORDENADOR: Wendel Alex Castro Silva.

DOCENTES: Hudson Fernandes Amaral.

FINANCIADOR:  Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais- FAPEMIG (Programa Institucional de Bolsa de Iniciação Científica).

PUBLICAÇÕES VINCULADAS: clique aqui

PROJETO: Estrutura de Capital em Empresas de Pequeno Porte da Região Metropolitana de Belo Horizonte

ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: Organização e Estratégia

LINHA DE PESQUISA: Estratégia, Inovação e Competitividade

DESCRIÇÃO: A estrutura de capital é um assunto de grande importância na área de finanças e, apesar de haver vários estudos abordando o tema, há muito ainda a ser pesquisado e aprofundado. Por exemplo, é possível investigar se a decisão do tipo de financiamento usado pela empresa pode levar a uma diminuição do custo de capital, propiciando a realização de mais investimentos e visando a maximização da rentabilidade para os sócios-proprietários. A composição do capital pode também trazer algumas implicações para a empresa, tais como a diminuição da flexibilidade da empresa, devido o aumento da dívida; conflitos de interesse entre gerentes e acionistas; aumento dos riscos devido à possibilidade de não alcançar os retornos obtidos. Burkowski (2008) defende que estudos sobre estrutura de capital, principalmente nas pequenas empresas, geralmente pouco abordadas neste contexto, são necessários para aumentar a compreensão acerca do assunto. Este trabalho visa, portanto, abordar questões referentes à estrutura de capital em empresas de pequeno porte da região metropolitana de Belo Horizontes/MG, pois se reúnem os principais segmentos, em matéria de densidade e formação de novos empreendimentos. Optou-se por não realizar um estudo em grandes empresas devido ao grande número de pesquisas já existentes sobre o tema. Considera-se, portanto, que uma pesquisa direcionada às EPP pode contribuir para o crescimento de estudos neste segmento. 

COORDENADOR: Wendel Alex Castro Silva.

DOCENTE: Alfredo Alves De Oliveira Melo; Gustavo Rodrigues Cunha.

DISCENTES DE MESTRADO: Danilo Eustáquio de Oliveira Filho; Danilo Passos; Flavio Magno Moreira Pinto; Josane Sodré Cupertino da Silva;

PARTICIPANTE EXTERNO: Elisson Alberto Tavares Araujo.

PUBLICAÇÕES VINCULADAS: clique aqui 

PROJETO: Organismos de Transferência de Tecnologia no Brasil: Abordagem, Desempenho e Avaliação

ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: Organização e Estratégia

LINHA DE PESQUISA: Estratégia, Inovação e Competitividade

DESCRIÇÃO: O processo de transferência de tecnologia e as interações entre universidade/ indústria/governo têm sido tema de extensa pesquisa por fazer parte do atual debate sobre desenvolvimento e inovação tecnológica dentro de um ecossistema. Os objetivos da pesquisa engloba a compreensão dos modelos, das barreiras, das lacunas e das limitações do processo de transferência de tecnologia que ocorre entre agentes e/ou setores envolvidos. A abordagem conceitual de tecnologia, inovação tecnológica e de transferência de tecnologia, como a transferência de conhecimento, tem base teórica que permite incluir os mecanismos, os serviços, as experiências, as informações e os atores envolvidos como componente relevante para o sucesso da transferência devido a complexidade de sua execução e implantação. A pesquisa propõe estabelecer uma agenda padrão (um modelo hibrido) para transferência de tecnologia a ser utilizados na Instituição Científica, Tecnológica e de Inovação (ICT) e/ou Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT) do Brasil. Este novo modelo visa a reduzir os conflitos observados nos diversos ICT’s e/ou NIT’s brasileiros quando da sua atuação na ligação entre os agentes produtores e os agentes consumidores da inovação tecnológica. A polêmica discussão sobre qual o melhor modelo ou tipo de transferência de tecnologia nos leva a pesquisar se é possível ter um modelo especifico de transferência de tecnologia para as Instituições Científicas, Tecnológicas e de Inovação (ICT’s) e/ou para os Núcleos de Inovação Tecnológica (NIT’s) no Brasil. Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.

COORDENADOR: Hudson Fernandes Amaral.

DISCENTE DE MESTRADO: Creber Vitor Brigida; Jaqueline Marcia Rodrigues

PARTICIPANTE EXTERNO: Eduardo Jose Zanoteli; Laise Ferraz Correia; Vagner Antônio Marques.

FINANCIADOR: Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientifico e Tecnológico – CNPq (Bolsa Produtividade Em Pesquisa).

PUBLICAÇÕES VINCULADAS: clique aqui

PROJETO: Sustentabilidade em Organizações do Estado de Minas Gerais: Concepções, Estratégias, Avaliação e Fiscalização

ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: Organização e Estratégia

LINHA DE PESQUISA: Estratégia, Inovação e Competitividade

DESCRIÇÃO: A multidimensionalidade e abrangência no construto “sustentabilidade” justifica a atenção recebida pela mesma nos últimos anos, por acadêmicos e profissionais de várias áreas de conhecimento. Além das consequências nefastas, o rompimento da barragem de rejeitos da Samarco na cidade de Mariana, trouxe à tona questões de profunda relevâncias, entre elas, a de como considerar os interesses no mínimo parcialmente conflituosos de um número de expressivo de stakerholders, e de quanto abdicar dos resultados da sustentabilidade em suas dimensões social, ambiental e econômica. Embora não exista um senso comum sobre a concepção do construto, a sustentabilidade tem sido definida em termos de equilíbrio, sendo o baricentro deste equilíbrio, função das ações de diversos agentes internos e externos as organizações. Neste sentido, o presente trabalho investigará: a) a concepção, a visão estratégica e os modelos de avaliação de sustentabilidade mantido por gestores organizacionais; b) a percepção e as dinâmicas desenvolvidas por servidores de instituições públicas responsáveis pela fiscalização socioambiental; e c) a percepção de coordenadores de cursos relacionados diretamente com a gestão socioambiental em instituições de ensino superior, onde se espera, sejam desenvolvidas e difundidas práticas capazes de traduzir diretrizes estratégicas em ações efetivas de sustentabilidade. Para tanto, entrevistar-se-á gestores, servidores públicos e coordenadores locados na principal cidade de cada uma das 10 (dez) regiões de planejamento do estado de Minas Gerais, a fim de considerar diferenças culturais e obter-se um quadro mais compreensivo do fenômeno afrontado no quarto maior estado brasileiro. Espera-se, por fim, que tal diversidade auxilie-nos a compreender melhor as variáveis envolvidas nas dinâmicas da sustentabilidade, a semelhança do que observa-se em países desenvolvidos onde academia, governo e empresas trabalham juntas com o objetivo de criar conhecimento e desenvolvimento.

COORDENADOR: Gustavo Rodrigues Cunha.

DISCENTE DE MESTRADO: Jader Rafael Corlaete de Souza Trindade; José Roberto dos Santos Junior; Luiz Henrique de Freitas Oliveira; Ruy Barbosa Figueiredo Junior.

PUBLICAÇÕES VINCULADAS: clique aqui